19 abril 2016

O Incrível Mundo das Visual Novel! - Parte 2

E lá vamos nós, para finalmente a segunda postagem da série "O Incrível Mundo das Visual Novel"!

Perdeu a primeira parte? Confira aqui!

Aloners


*suspirando alto pelo Trash*

Ahem. *voltando à realidade com uma voadora da Syba*

Então. Aloners é uma Visual Novel do tipo pós-guerra nuclear. Praticamente só você e o Trash o jogo inteiro. Vão aparecer alguns outros lá no final do game, mas o único realmente desenhado é o Trash - a protagonista é sem rosto: só temos certeza de que é mulher, o resto da aparência é um mistério. O que achei bem legal, ainda mais aliado à quantidade de escolhas diferentes que fazemos: é mais fácil se tornar você mesmo ao jogar.

E a história, descobrir quem você era, como chegou ali e todo o mais, é muito, muito boa. Recomendo um zilhão de vezes.


Long Live The Queen


Uma única coisa a dizer realmente: IMPOSSÍVEL SEM CHEAT!

Ou eu sou muito burra mesmo .-.'

Basicamente, você é a princesa herdeira e vai assumir o trono em um ano. Durante esse tempo, tu tem de aprender de tudo e mais um pouco e se virar pra tentar manter o reino em paz, passando nos testes das habilidades que tu faz aula.

Perdi a conta de quantas maneiras diferentes eu morri antes mesmo de ser coroada xD Quando me der na telha, vou tentar de novo com os cheats pras habilidades que eu descobri existirem quando tentava arrumar um bug de tradução xD


Nameless - The One Thing You Must Recall


Pensa em algo que te faz chorar que nem uma criança. Multiplica por cem.

Pronto. Você já sabe como vai ficar quanto terminar a rota do Red e descobrir os dois finais secretos em Nameless após desbloquear todos os finais bons: cara inchada, olho inchado, desidratado e fungando. E talvez uma dor de cabeça de brinde, se vocês forem como eu - chora muito e a cabeça dói em resposta.

Basicamente, a personagem coleciona bonecos que parecem humanos, e um dia acorda e eles viraram humanos, literalmente.

Mas vamos lá. O nome padrão da personagem é "Eri", mas você pode mudar. Ao começar o game, você primeiro escolhe o nome da(o) primeira(o) boneca(o) que a personagem teve, então o nome da personagem e então vai escolher as peças que vai tentar conquistar (você descobre o que elas são, exatamente, ao longo do game). Primeiro, só dá pra tentar 3, relacionadas aos personagens Lance, Yeonho e Yuri, que começam numa rota comum que depois se torna individual. E recomendo clicar em "New Game" toda vez que desbloquear um final bom de um deles e escolher as tais peças: mesmo na rota comum aparecem alguns diálogos novos. A rota do Tei ficou disponível assim que peguei o final bom de um deles, mas pelo que li quando cansei de pegar final ruim e fui atrás do que estava fazendo errado, é bom fazer o Lance, Yeonho e o Yuri antes de partir pro Tei. Assim que você termina a rota do Tei, chega a do Red, a mais heartbreaking de todas. Desde a rota do Tei, a personagem começa a ter problemas com as memórias, elas somem e tals, e na rota do Red isso alcança um nível tal que só Jesus na causa, além de começar a ser revelado o background por trás do motivo dos bonecos terem virado humanos. O choro é livre na rota dele, pura e simplesmente.

Uma vez que você tem os finais bons de todos, você conseguiu todos os pedaços... E quando clica em "New Game", tem um coração lá, onde você clica e pega o primeiro final secreto (não conto como pegar o segundo final secreto. Se jogarem e quiserem descobrir, me perguntem que falo, mas não vou contar aqui não senão perde a graça quanto aos finais secretos). Você não interage nos finais secretos, apenas assiste.

E tem o coração quebrado em um milhão de pedacinhos em cada um dos finais secretos. O choro não é nem livre direito, é infinito mesmo.

É um jogo muito bom. Pode parecer que o foco é apenas o romance, mas os finais secretos mostram que não. De fato, são finais bem tocantes. Aliás: todas as rotas, como um todo, mostrando pelo que os bonecos passavam e sentiam, mostram o nível de companheirismo e confiança que a personagem e o moço tem, são únicas e "ah, meu coração" (com o Yeonho e o Tei sendo bonecos usados com trauma do dono anterior, e Yuri, Lance e Red tendo seus problemas por causa de como foram idealizados pelos fabricantes... Toda vez que eu descobria a história pessoal de cada um eu sentia meu coração afundar). O melhor: Tei pode até agir meio estranho na rota dele, mas está LONGE de ser tão creepy quanto o Toma em Amnesia: Memories. xD

Recomendo para os masoquistas de plantão que sabem que vão chorar, que vão virar uma poça de lágrimas e ter os pedaços do coração espalhados... Mas ainda assim vão em frente xD


The Royal Trap

"The Royal Trap" foi um daqueles jogos que colocou um enorme sorriso no meu rosto.

Madeleine, a personagem que controlamos, é a Valete do Príncipe Oscar, de Ocendawyr. A sociedade do universo apresentado é de certa forma matriarcal - a linhagem dos reinos é passada através das filhas mulheres do rei e da rainha; quando essa princesa se casa e passa a governar, é chamada de Sabedoria, e são os príncipes que correm atrás delas para se tornarem Reis, e não o inverso. É um sistema interessante, que mostra que o Rei e a Sabedoria são parceiros, sem sobreporem o outro, quando afinal se casam e tals.

Oscar e Madeleine estão justamente em outro reino, para a festa de debutante da Princesa Cassidy de Gwellinor, e para Oscar tentar conseguir conquistar a dita princesa e ser escolhido por ela. Pra isso, ele tem de "vencer" seus concorrentes, Príncipe Nazagi de Asineth e Príncipe Gaston de Bardowen. E o irmão da Princesa Cassidy, Príncipe Callum (*corações nos olhos de Gabi*), também é um competidor no caso de outras princesas.

Mas é claro que a história não se foca apenas na competição, porque a Princesa Cassidy desaparece, e aí lá vai Madeleine tentar achá-la para transformar o seu Príncipe num herói e, assim, ele ser o escolhido, fazendo ou não alianças com os outros Príncipes (e possivelmente um romance da Madeleine com um dos Príncipes OU com uma das duas outras personagens femininas, além de Cassidy, que possuem certa importância).

Claro que nada vai tão suavemente assim e temos conspiradores que falam que a Princesa Cassidy não é a Princesa Cassidy. Ooooooh!

Altas tretas, gente. Altas tretas. Recomendo fortemente jogarem e descobrirem tudo sobre a história do jogo, que é realmente incrível!


Menção Honrosa: MetaHuman INC

Por que "menção honrosa"? Porque MetaHuman INC não é de fato Visual Novel, por não ter imagem alguma. A história inteirinha é apenas escrita (mas eu AMARIA ver uma HQ ou coisa assim do universo de MetaHuman INC), com você podendo escolher as ações do personagem.

Foi um achado que me agradou MUITO. Basicamente, o personagem, que você decide tudo (gênero, nome, background e até mesmo como deseja ser tratado), foi nomeado pelo antigo CEO da empresa MetaHuman INC para ser o próximo CEO, caso algo acontecesse com ele; no presente caso, ele desapareceu.

A história segue, com você desenvolvendo melhoramentos para humanos feitos com base tanto em magia como em tecnologia (incluindo aqui tecnologia alien :P), colocando alguns melhoramentos em você mesmo (e eles são uma verdadeira mão na roda em diversos momentos), podendo desenvolver romance com 3 personagens (uma mulher bi, um homem gay e um homem hétero)... E se envolvendo com viagens no tempo, ET's e seres mágicos.

E os ET's não são bonzinhos.

Não vou revelar como a história se desenvolve em detalhes, além do ponto de ser CEO e ter de aumentar os lucros da empresa e tals. É um jogo que realmente vale a pena descobrir sozinho. :)