21 agosto 2014

Resenha: Frente de Tempestade - Harry Dresden


Editora: Underworld
Autor: Jim Butcher
Páginas: 338

(Por enquanto, descontinuada no Brasil... Para a minha depressão ç-ç)

"Meu nome é Harry Blackstone Copperfield Dresden. Evoque por sua conta e risco. Sou um bruxo. Trabalho em um escritório no centro de Chicago. Até onde sei, sou o único bruxo profissional do país a trabalhar abertamente. Estou nas páginas amarelas, na seção "Bruxos". Acreditem ou não, sou o único nome da seção. Meu anúncio é assim:

HARRY DRESDEN - BRUXO
Encontram-se objetos perdidos. Investigações paranormais.
Consultas. Aconselhamento. Preços razoáveis.
Nada de poções do amor, cartolas sem fundo, festas e espetáculos em geral." (pg 11)

Esse é um daqueles livros que você ri do início ao fim. Não exatamente porque o gênero seja comédia... Mas a narrativa do personagem (no caso, Harry Dresden) simplesmente é ímpar. O jeito como ele narra os acontecimentos...

Não importa se ele está lutando nu no meio da rua e de uma tempestade contra um demônio (cahem) ou conversando com uma Vampira dona de um serviço de acompanhantes de luxo pra tentar conseguir informações, de alguma forma você VAI RIR. É impossível se segurar. E não é algo forçado. É algo muito natural.

Especialmente quando a caveira-mercenária-Bob está no rolo. É certeza de riso.

Os personagens são cativantes. A história também, que, aliás, é surpreendente. Jim Butcher me conquistou: vou terminar de ler a série em inglês mesmo.

Enfim. A história basicamente é: um duplo homicídio foi cometido com Magia Negra. A polícia pede a ajuda de Harry para resolver o caso. Como ele está sem grana... Aceita. Alguém não quer o caso resolvido, e ainda quer, de brinde, encrencar nosso querido bruxo sem grana de humor irônico com o Conselho Branco, os todo-poderosos que não deixam aqueles que se envolvem com os mortais de forma negativa (especialmente vampiros) viverem pra contar a história. Harry já não tem muita simpatia deles por praticar seu ofício de bruxo abertamente. Ai ainda ajunta que tem gente achando que o responsável pelos assassinatos é ele. Vida fácil, não?

E é assim que ele acaba tendo de lutar nu contra um demônio, entre outras coisas. Básico básico.

Então, lá vai nosso bruxo que tem problemas com eletrônicos tentar descobrir quem é o assassino se quiser viver. É surpreendente e muito bom acompanhar a saga dele para descobrir o assassino pra limpar a própria barra. Sério.

E a capa, como dá pra perceber, é a coisa mais linda do mundo. É a imagem original, entretanto a fonte do título é diferente. E, particularmente, acho que combina mais essa fonte. A diagramação da Underworld também é joinha, especialmente na transição de um capítulo pro outro.

Mas tem uma coisa que eu realmente estou xingando a editora até o fim da vida: a revisão. A tradução, como um todo, ficou legal. Mas, em MUITOS pontos da narrativa, duas palavras aparecem juntas, por exemplo: Eu dei um suspirobufei (pg 306). Eu não estou brincando, está desse jeitinho. E, se parar pra olhar, se a palavra for "bufei", a tradução também ficou caca: eu dei um bufei. Oi? Existem muitos outros casos como esse, e foi bem desagradável estar lendo, de boinha, rindo com o que o Dresden passava ou falava... E de repente me vinha uma brecada dessas.

Nada legal, Underworld. Nada legal mesmo. Tão ruim quanto Google Translate.

Só por causa dessa revisão porca a edição brasileira ficou com uma classificação final de 4. Mas, como um todo, história e tals... É 5. Podem ler (embora eu recomende que procurem para baixar, em inglês ou não... Provavelmente, não vai ter esses erros idiotas numa digitalização em português. Espero.)

E um presentinho final para vocês rirem com as desgraças de Harry... xD

"Susan estava beijando meu peito e se esfregando em mim de um jeito nada casto e bastante prazeroso, e que estava me distraindo.

- Bob, eu juro que vou te trancar em um cofre pelos próximos duzentos anos.

- Não foi culpa minha! - Bob contestou.

O demônio viu o que estava acontecendo no círculo com seus olhos esbugalhados e chutou um monte de coisas entulhadas no chão para abrir espaço para ele ficar cócoras e olhar, incansável e pronto como um gato esperando o camundongo sair da toca. Susan me encarou com seus olhos de mormaço e tentou me jogar no chão, o que nos tiraria do círculo de proteção. Bob continuou a bradar inocência.

Quem disse que eu não sei entreter uma dama?" pg 187

Imaginem a cena... Imaginem você ali, uma mulher/homem louco pra te pegar de jeito e fazer coisinhas... Só que vocês estão num círculo de proteção pequeno e tem um demônio do lado de fora doidinho pra te matar.

Pobre Harry u_u

Classificação final: