27 outubro 2012

Raças Mundo Suspenso: Serpentes

Filhos de Guïré, o Deus das Almas e da Vida, chamado de Priotetaire em sua língua. Levando Priotetaire ao pé da letra, significa “Progenitor”, e não Guardião.

Estão entre os seres mais antigos do Mundo Suspenso, mas também entre os mais traiçoeiros e selvagens. Apesar de sua selvageria, costumam ter grandes conhecimentos mágicos e alquímicos: seus venenos e feitiços são bem conhecidos. Vivem por até 500 anos, um tempo de vida considerado baixo se comparado à outras raças. As Serpentes mais velhas que conseguem ascender em poder e conhecimentos conquistam outros tantos anos de vida e passam a serem conhecidas como Feiticeiras-Serpentes, além de terem a capacidade de trocar o rabo de cobra por pernas Humanas.

Como Surgiram?

Diz a lenda que, após Miën encher o Mundo Suspenso com a vida das plantas e dos animais, a Deusa da Terra convidou os demais Deuses para conhecerem sua obra.

No deserto, lugar que ela tivera o especial cuidado de preenchê-lo com formas de vida delicadas, belas e fortes, Guïré encontrou um ovo do tamanho de um ovo da estranha ave que foi chamada de avestruz, mas de cor esverdeada com veios dourados como o deserto. Ao indagar Miën de à que animal pertencia, a Deusa franziu as sobrancelhas e disse que não pertencia à nenhuma de suas criações.

O estranho ovo gerou discussões quanto à sua origem e a quem pertencia. No fim, concordaram que pertencia ao caçula, Guïré, e que devia ter vindo de Caos ou de Nada, como um presente para o Mundo Suspenso.

Guïré retornou para sua torre, em Luën, a terra de seus filhos Djins, e ficou por muitos dias à contemplar o ovo, esperando que alguma criatura saísse dali.

Em um desses dias, em que realizava experimentos com as plantas de Miën, lembrando-se de ela dizer que cada uma possuía seu segredo e que dava permissão à todos para que tentassem descobri-los, substâncias das quais não temos ideias de quais eram caíram por sobre o ovo (Guïré é conhecido por ser um Deus ligeiramente desastrado). Enquanto limpava-o, percebeu que os veios dourados brilhavam e que algo queria sair do ovo.

Sorriu para si mesmo enquanto soprava Vida e Alma para o ser que estava no ovo. E dali eclodiram suas serpentes gêmeas, que quando cresceram, decidiram partir para o Deserto de Sirte, de onde tinham vindo.

Como São?

Cabelos de tons de verde e dourado, lisos ou crespos

Olhos de tons radioativos, inclinados em direção às narinas ofídicas, com pupilas em fenda

Rosto achatado

Presas que possuem veneno

Pele esverdeada

Esguias

Pouco abaixo da cintura, onde começariam as pernas, começa a cauda de serpente, geralmente de tons vivos e vibrantes

Excelente visão

Olfato aguçado

Rápidas

Selvagens

Inteligentes

Sociedade:

Possuem uma rainha, que é eleita quando a anterior morre.

As mais velhas e poderosas são as Feiticeiras-Serpentes, que partem para os cantos do Mundo Suspenso e atraem viajantes humanos e de outras raças “fracas” para o Deserto, onde suas irmãs os atacam de surpresa. Tanto homens como mulheres são usados na reprodução para manter a variabilidade genética.

As serpentes que atacam as caravanas são a elite.

Os machos da espécie fazem a segurança da rainha.

O conceito de “Casamento” é inexistente entre eles.

Sim, apesar de todo o perigo, ainda existem caravanas que vão para o deserto, seduzidas pelas Feiticeiras-Serpentes. O caminho é de fato o mais rápido para quase todos os lugares do Grande Continente.

Onde mais encontrá-los?

Deserto de Sirte, em Sar’Iân e no Palácio de Veneno.

Às vezes, contratadas para fazerem venenos ou feitiços de tortura.

Grandes cidades humanas onde procuram vítimas.

Nível de Perigo

Alto. Muito alto. Principalmente se estiverem em seu habitat natural: o Deserto. São altamente persuasivas, e dão o bote tão de repente como os animais chamados de cobras. E seu veneno é letal para a maior parte dos seres. Humanos incluídos naqueles para os quais o veneno não é fatal.