03 outubro 2016

Jogos: Marte, Serum e Mutantes

As estrelas de hoje no blog no assunto "jogos" são "Mars: War Logs" e "The Technomancer", da Spiders Studios. E antes de falar do enredo, jogabilidade e personagens de cada jogo, vamos entender um pouco do universo onde eles se passam.

Só pra comentar mesmo: alguém fã de jogos aí deve ter visto críticas à "The Technomancer" (que foram até que bem negativas), entretanto das que eu vi, apenas a do UOL menciona "Mars: War Logs". As outras falam de "Bound by Flame" (que tem uma história e personagens até que bem legais, apesar da jogabilidade sofrível), mas "Mars: War Logs", que é anterior a "The Technomancer" e explica uma porrada de coisas sobre o universo e cuja história inclusive se entrelaça com a de "The Technomancer"? Nada. Por favor. Eu sei que "Mars: War Logss" está longe de ser um dos melhores games ou dos mais conhecidos, mas pelo menos fizesse a lição de casa se é pra falar mal. Além disso, desculpa, mas o roteiro de ambos dá de cem a zero em diversos outros.

Syba: Calma, Gabi... Respira...

Gabi: *respira fundo* Ok. Vamos deixar esses bobos que não sabem aproveitar uma boa história e só querem saber de gráfico (falaram que os de "The Technomancer" são ruins. Me pergunto o que esse povo considera bom...) e se tudo não for mastigadinho e bonitinho na história eles não gostam. E ainda falaram que a colonização de Marte nos jogos é recente. Eles realmente prestaram atenção no jogo?

Syba: Gabi... ê_e

Gabi: Okay, okay, parei.

Fonte (Jesus amado, eu não lembro de ter enfrentado isso... ç_ç)
Marte

Fonte
O ambiente onde o jogo se passa é Marte. Exatamente, o quarto planeta do nosso sistema solar. Não é especificado quando Marte foi colonizado, mas julgando o estado das ruínas dos primeiros assentamentos humanos e como parece que se perdeu conhecimento sobre essa época, faz um tempinho considerável desde quando os primeiro terráqueos, chamados de "settlers" pela população atual, primeiro pisou no planeta vermelho.

Marte, ao que tudo indica, passou por um certo nível de terraformação que lhe permitiu ter oxigênio e água, para ser capaz de sustentar a vida. Entretanto, essa terraformação não foi o suficiente para criar uma proteção contra os fortes raios solares, capazes de literalmente matar, e a água disponível é tanta e tão pouco valiosa que é usada como moeda em porções chamadas de serum. Em consequência a esses detalhes, a população humana precisa viver em locais protegidos desses raios solares - cidades subterrâneas, artificiais ou não, cavernas, sombras de cânions, tudo vale -, e normalmente governando essas cidades e assentamentos, as chamadas corporações que são as controladoras do fornecimento de água, por assim se dizer, e responsáveis pela segurança em todos os sentidos possíveis da população sob seu cuidado.

Dessas corporações, temo conhecimento de três - Aurora, Abundance e Alliance - e é praticamente impossível viver longe de suas mãos. As diferenças entre elas são filosóficas e como elas administram suas cidades, basicamente, e durante "Mars: War Logs" e "The Technomancer", Aurora e Abundance estão em guerra pelo controle de Green Hope, um local chave na produção agrícola. Alliance é a única que está de boinha em algum canto de Marte, só cuidando do desenvolvimento tecnológico, e é apenas mencionada. Um detalhe interessante quanto a Aurora e Abundance é que é possível saber sob as asas de quem alguém nasceu pelo nome: nomes de coisas abstratas, como justiça e temperança, são nomes utilizados em Aurora (e inclusive é crime alterar esse nome), e nomes mais normais, como conhecemos, mas cujo sobrenome indica uma profissão de certa forma, como Hunter (caçador) e Seeker (buscador) são nomes de Abundance. E dá-se a entender que esse título, esse sobrenome, é dado depois que a pessoas começa a trabalhar de fato nisso. E Alliance? Deus sabe, nunca conheci gente de lá nos jogos até onde me lembro.

E por que a população atual chama os primeiros colonizadores de forma diferenciada? Porque Marte saiu de sua órbita normal e se moveu para um pouquinho mais próximo do sol: antes, a atmosfera de Marte era capaz de resistir aos raios solares e sua radiação, mas esse movimento tornou a atmosfera praticamente inútil contra essa radição, o que gerou um colapso das primeiras colônias. Muita gente morreu e só alguns conseguiram fugir para as colônias protegidas pelas construções chamadas domos. A maior parte desses domos, no atual dos jogos, são apenas ruínas. As coisas mudaram e os settlers e a Terra de onde vieram virou quase um mito. Com o final de "The Technomancer", espero um novo jogo e um dia descobrir o que aconteceu exatamente para gerar essa mudança na órbita de Marte.

Fonte de o que aconteceu com Marte: http://www.mars-warlogs.com/?rub=timeline (eu não lembro se isso é mencionado em detalhes nos jogos x.x)



Os Mutantes

Fonte
No caso, os mutantes são pessoas que, ainda na infância, demonstraram sinais de deformações corporais em consequência de um DNA não muito bom. Em Aurora, não lembro se chegam a mencionar isso, mas em Abundance é dito que casais que geram mutantes são esterilizados para que não nasçam mais. Sim, uma política eugenista relacionada ao controle de natalidade forçado (agradeçam ao Guilherme Silva lá no meu facebook, porque eu não tava lembrando de "eugenista" por nada no mundo).

Em ambos os casos, os mutantes são usados como força de trabalho escravo para sustentar as bases das cidades. Ao menos os mutantes deformados...

Em "The Technomancer", confirmaram minhas suspeitas de que os technomancers - pessoas que produzem e controlam altas descargas elétricas - são pessoas que herdaram uma mutação genética produzida propositalmente láááá atrás pelos settlers. Só que a divulgação disso implicaria no risco dos technomancers serem tão segregados quantos os mutantes deformados, portanto é um conhecimento muito bem escondido por eles. Ao longos dos jogos, os personagens que são technomancers precisam de luvas especiais para usarem seus poderes; ao que se dá a entender, essas luvas ajudam no controle das descargas elétricas e afins.

E com isso encerramos os pontos principais que precisamos saber para falar dos jogos sem ninguém se sentir muito perdido! Vamos lá?!




Mars: War Logs

Fonte

"Mars: War Logs" começa com a chegada de um jovem ao Campo 19, um campo de prisioneiros de guerra mantido por Abundance. O nome de dito rapaz é Innocence. Considerando o que já apresentei sobre a dualogia, podemos deduzir que Innocence vem de Aurora. Um de muitos jovens que Aurora arrancou do meio da família para jogá-los em sua guerra contra Abundance. Innocence vai até o "banheiro" logo após chegar ao campo e alguns outros presos o ameaçam e vão para estuprar o pobre garoto... E é aí que Roy Temperance, aka o jogador, entra em cena e resgata Innocence. Após o resgate, aparecem opções de resposta para dar a Innocence, incluindo uma que diz algo como "Quem disse que eu não os mandei embora pra não ficar com você pra mim?". Sim, minha gente. Claro que Gabi incapaz de fazer um personagem renegado não deu essa resposta, então Jesus sabe o que acontece se seguir esse rumo no jogo. Vou falar da minha experiência em si.

Enfim. Após esse amigável começo, Innocence passa a seguir Roy e a escrever um diário. Diário este que é a razão do subtítulo "War Logs": não lembro com exatidão como as missões são marcadas, mas no diário de Innocence, lemos as impressões dele sobre Roy (no meu caso, Innocence via Roy como um herói e um modelo a ser seguido) e sobre as aventuras deles. Os dois causam o caos no Campo 19, ajudando no que acaba por se tornar uma revolta dos mutantes que trabalham no Campo e cujas consequências aparecem em "The Technomancer", e fugindo do lugar para Shadowlair, a maior cidade sobre o controle de Aurora, atrás dos pais de Innocence. Não lembro os detalhes sobre a missão de achar os pais de Innocence, infelizmente.

Em algum momento do jogo, Roy mata Sean Mancer, um technomancer, mas eu não lembro em que momento, exatamente. Em consequência a essa batalha, ganhamos um companion, Mary (embora eu não lembre se é logo depois ou não), outra technomancer e assistente/aprendiz de Sean, e as luvas de Sean, o que nos permite descobrir que Roy também é um technomancer e adicionar umas coisas bem legais pra gente fazer durante as batalhas. Jogo vem, jogo vai, e no final são quatro companions no total: Mary, Devotion, uma outra mulher, Tenacity, velho amigo de Roy, e Innocence. Roy também se envolve com os rebeldes, o povo que quer tirar Wisdom, o atual líder de Aurora, do poder.

Como o final se desenrola acaba por depender de uma única escolha de Roy quanto a apoiar os rebeldes ou o atual governo. Por que depende dele? Surpresa. Apenas adianto que eu tinha decidido apoiar os rebeldes primeiro, mas algumas consequências me fizeram voltar o save e mudar a escolha. Vou deixar vocês descobrirem por si próprios.

Fonte (Tenacity e sua incrível barba S2)
No total, o jogo tem uma história boa, embora peque em algumas questões quanto ao desenvolvimento do relacionamento entre os personagens, com um sistema de batalhas interessante e dinâmico, embora talvez um pouco complicado... Mas pode ser impressão minha por não ter uma das melhores placas de vídeo na época. xD É um jogo que merece mais amor por seu universo e história e especialmente pelo diário de aventuras escrito pelo Innocence.




The Technomancer


Fonte
 Antes do jogo sair, eu achava, pelos trailers, que seria a história do Roy, mas me surpreendi lindamente.

"The Technomancer" saiu esse ano, 2016. Começa com Zachariah Mancer, o personagem principal controlado pelo jogador, acordando no dia onde passará pela sua iniciação oficial como Technomancer, na cidade de Ophir, controlada por Abundance. Seu mestre é Sean Mancer. Sim, o mesmo de "Mars: War Logs". Os acontecimentos de "The Technomancer" cronologicamente começam antes dos de "Mars" terem início e terminam depois dos de "Mars" se encerrarem. Sean leva Zach para as ruínas de um domo, onde lhe conta sobre os technomancers serem mutantes e onde a gente enfrenta o primeiro boss, um bicho feio pra caramba.

De volta a Ophir, Zach é incorporado ao exército da cidade, e as missões principais se dividem entre as do exército e as dos technomancers, dadas pelo Grande Mestre. Não muito tempo depois disso Sean parte para lutar na guerra contra Aurora, e colonel Viktor, líder da polícia secreta de Abundance, a ASC, passa a atormentar Zach para descobrir o segredo do technomancers. Sim, meus caros, acabamos de encontrar o vilão. A forma como você lida com as missões entregues pelo exército, pelos technomancers, com os Vory - os contrabandistas e afins -, a oposição - aka rebeldes -, com os mutantes e com os mercadores no geral nesse começo vão ditar boa parte de como o final vai se desenrolar e como as pessoas irão te tratar ao longo do jogo.

Em determinado momento, Zach precisa fugir de Ophir, e o faz com a ajuda de seu velho amigo Scott Seeker e da artista Niesha - ao menos no meu gameplay - porque o tal Viktor o marcou como traidor. Os três fogem com a ajuda de total boa vontade de Amelia Reacher, uma exploradora dona de um roover que é uma das poucas formas de se viajar de um lugar a outro em Marte. Niesha os leva para Noctis, uma cidade construída e controlada por mercadores e que se mantêm independente das corporações. Nesse ponto sua equipe de companions se completa com a adição de Andrew, um rapaz que estudou com Zach para ser um technomancer mas que deu overload no meio da academia, provocando um acidente e as cicatrizes faciais de Zach, perdeu um braço e foi mandado embora, e Phobos, um mutante que está ajudando na construção da nação mutante. Cada um desses personagem tem uma história própria possível de ser seguida conforme o jogo avança, onde eles te pedem ajuda para completar determinadas missões e você descobre mais quando os ajuda. É inclusive possível ajudar Andrew a se tornar um technomancer de novo ao providenciar uma prótese para substituir o braço faltante!

O jogo a partir da chegada a Noctis se desenrola para conseguir traduzir uma relíquia dos settlers que você recuperou para o Grande Mestre dos Technomancers antes de fugir de Ophir e fugir e eventualmente dar um jeito em Viktor, as duas linhas principais da história que eventualmente vão se juntar. Como cada ponto em específico se desenrola, entretanto, vou deixar vocês descobrirem. Só vou falar que você vai de ter de meio que fugir de novo, mas dessa vez para o Vale Mutante: Scum, o mutante que Roy ajuda no Campo 19, começou uma reação em cadeia de rebeliões que levaram a construção desse vale e da futura nação mutante.

Fonte (Andrew testando a prótese pela primeira vez S2
PS: Ele é uma das três opções de romance :)
As outras duas são a Niesha e a Amelia)
A história uma vez mais é muito boa em minha humilde opinião, e a revelação final meio que explode a mente; o relacionamento entre os personagens melhorou muito, embora ainda falte parecer ser um pouquinho mais natural, pelo menos na minha visão. Os gráficos melhoraram muito, os locais por onde andamos ao longo do jogo são incrivelmente lindos e bem detalhados, e o sistema de batalha ficou mais dinâmico e intuitivo até onde me lembro - embora tenha bichos para matar que eu definitivamente queria uma bazuca para acabar com os tais, tipo o Bull Toad. Eu amo o sistema de batalhas de The Technomancer, caramba... S2



E é isso por hoje, pessoal! o/ Se eu não enrolar a vida, quarta feira sai mais uma Resenha COMBO! no blog :)