15 março 2015

Resenha - Mudanças


Editora: Modo - Genérico
Autor: L. L. Alves
Páginas: 186

"Em seu sonho não havia mais ninguém, apenas... Ele. O garoto se vestia de Robin Wood. Sorria. Esperava, ansioso. Ela não queria saber quem era, e não se importava... Mas, no fim, era importante." pg. 12

Vou ser beeeeem sincera sobre o livro. Acho que por não ser fantasia/ficção científica/aventura, acabei ficando mais crica com ele .-.'

Então.

Primeiro: quem é o responsável de deixar Robin "Wood" passar? Até onde sei, é Robin Hood. Google escreve "Hood". Algo errado com o revisor...

Tudo começa durante uma briga entre Verônica-reclamona e seu ex-namorado Jonatas. O tal Jonatas é um idiota violento como tantas outras pessoas por aí são, especialmente com parceiros e namorados/as. E quem salva a Verônica-chatonilda de levar um soco/tapa/ser agredida é Carlos. Embora eu seja da opinião de que ela devia levar uns puxões de orelhas pelo tabefe que deu em Jonatas. O cara é um idiota que a traiu? Sim. Mas isso não significa que esteja correto ela o esbofetear. É descer ao mesmo nível dele. Então, sim, Verônica-estourada devia levar um sermão por partir para agressão, mesmo que mulher tenha força física menor. E se ela atirasse, sei lá, uma tesoura de ponta e aberta?! Do jeito que a menina é, não estranharia ela ser capaz disso!

(Não, eu não gostei da Verônica xD Menina chata kkkk E sim, sou contra a agressão, ainda mais em relacionamentos, independente se essa agressão parte do homem ou da mulher.)

À partir de então, a história passa a ser a evolução - ou tentativa de evolução - da Verônica-teimosiaruim, com a ajuda de Carlos, e o romance que passa a florescer entre eles.

Aliás, Carlos devia ser canonizado. Aguentar a Verônica-insuportável e ainda namorar com ela antes dela se tocar só um santo pra conseguir.

O ápice da história veio meio... De súbito. Um pouquinho do nada. Fiquei meio "oi?". Não existem muitos sinais desse ápice chegando da forma que chega. Só... Acontece de repente. Vai ver é porque to acostumada com histórias cheias de guerra, porradaria e afins, e não com "romances chick lit/água com açúcar/qualquer coisa". Nesse tipo de história que estou acostumada a coisa é um pouco mais óbvia com muita quebradeira. Apesar de meu gosto pessoal, considero "Mudanças" uma boa história, apesar da personagem principal irritante.

Enfim.

Temos personagens muito bons, como o irmão caçula da Verônica-chata, Pedro. Particularmente, é o melhor personagem da história. Devia ter tido mais Pedro em "Mudanças" u_u

A revisão deixou a desejar em vários casos, geralmente no início dos capítulos. O já mencionado "Wood", ao invés de "Hood"; no Terceiro Passo - Curiosidade, temos a seguinte situação: "Mudara-se quando conheçara [...]"; acredito que era pra ser "começara". Entre outros errinhos do tipo, que fazem a gente parar a leitura e franzir o cenho, que como já dito, aparecerem especialmente no início dos capítulos.

A diagramação é uma graça. A borboleta "texturizada" nas páginas pares na entrada dos capítulos é linda e realmente dá todo um toque especial. A fonte é grande e espaçada, e as páginas, amareladas; fica fácil ler sem cansar a visão.

É uma leitura fácil, em que L. L. Alves nos conduz pelos passos da Verônica-irritante para crescer e amadurecer com tranquilidade, no seu estilo narrativo próprio.

Só não é realmente meu tipo de história favorito xD

O livro perdeu um coraçãozinho por conta da revisão, a chegada do ápice e a chatice da Verônica. :(

Classificação Final: