22 março 2015

Resenha: Crônicas de Myríade 1 - Línguas de Fogo


Editora: Cubo Mágico
Autor: Karen Soarele
Páginas: 215

"Sangue escorria lentamente pelo peito da criatura. Tão vermelho quanto o sangue de Dharon, contrastava com sua pele negra como a noite. Estava muito machucada, mas não morta. Ainda com a espada em sua carne, apreciou a queda de seu oponente. Seus olhos tornaram-se amarelos e encontraram o olhar indefeso de Aisling. Sem pressa, analisou a situação, girou o corpo de frente para os dois e caminhou. Sem saber o que fazer, Aisling viu a criatura crescer em sua direção, à medida que se aproximava.

Preparou-se para encher os pulmões novamente. Em breve, mais uma parte da vila seria transformada em cinzas. Tudo o que Aisling foi capaz de fazer foi abraçar Dharon, em uma inútil tentativa de protegê-lo do fogo que estava por vir.

Tudo aquilo tinha acontecido tão rápido que Aisling mal podia entender. Por um minuto, que pareceu se estender por uma eternidade, aguardou a ofensiva da criatura, o fogo ardente em sua pele. E, enquanto esperava, lhe veio à mente a lembrança de uma época feliz." (Pg. 14)

Sim, já temos cenas tensas dentro das primeiras vinte páginas. Preciso aprender a fazer coisas do tipo... xD

Agradecimentos ao Gustavo Oliveira, do grupo Blogueiros Literários e Blog Consumindo Sagas pela postagem falando sobre fotos de livros. Parei de ter preguiça e comecei a tirar foto dos livros lol (e não, não sei tirar fotos xD)

O primeiro capítulo já é intenso, e é também o motivo da história toda vir a ocorrer: Aisling vai atrás de uma cura para Dharon, por causa do veneno da salamandra. Essa tal cura só pode ser encontrada no reino de Hynneldor (assim como é onde a vó de Aisling disse que vai encontrá-la, ao ficar para trás detendo a tal salamandra com magia). Nisso vamos parar em Tarsillya, o porto de Vulcannus, onde Aisling e Dharon, com a ajuda de Desmond, um personagem incrível, eles embarcam no Elo rumo a Hynneldor. Nesse mesmo navio vai Kendra, uma pistiro inclemente, coronela do exército de Vulcannus, e que o rei encarregou de  perseguir os rebeldes de Hynneldor.

A história em Hynneldor só se desenvolve mais e mais, apresentando parte do mundo mágico e encantador de Myríade e seus personagens. Não, não vou falar mais por onde Aisling, Dharon e Desmond andam lá em Hynneldor, se Dharon é curado e etc, leiam pra descobrir xD

Os personagens são bem desenvolvidos, humanos, e interessantes, mesmo os vilões - ou que atuam como vilões.

A narrativa é simples, tipo, não é toda enfeitada; é o suficiente para entender a história, com as descrições na medida certa. É uma boa narrativa, embora as vezes sentia ela um pouco infantilizada quando comparada à história contada. Às vezes, apenas. A revisão está de parabéns: melhor que alguns livros lançado por editoras grandes.

A diagramação também está de parabéns, a única coisa cansativa, pelo menos na minha edição, sendo as folhas brancas.

A capa é muito bonita, embora não seja uma capa que me chamaria a atenção numa livraria x.x

Syba *chegando na voadora*: Ela só está com inveja porque não sabe desenhar cavalos.

Gabi: Mentira. *pausa* Ok, eu não sei desenhar cavalos, mas isso não quer dizer que eu esteja com inveja ê_e

Enfim.

É uma história boa, com uma dose legal de suspense e mistério que nos faz querer o próximo livro pra saber o que raios Aisling é e o que vai acontecer: se Vulcannus vai conseguir conquistar toda Myríade, se os rebeldes terão sucesso, etc...

Classificação final: