18 fevereiro 2015

Resenha: Elantris


Editora: LeY(rd)a
Autor: Brandon Sanderson (Bem vindos à Igreja Cosmérica xD)
Páginas: 574

"Ninguém do povo de Arelon saudou seu salvador quando ele chegou. Era uma afronta, é claro, mas não inesperada. O povo de Arelon - especialmente aqueles que viviam perto da infame cidade de Elantris - era conhecido por seus costumes ímpios, até mesmo hereges. Hrathen viera mudar isso. Tinha três meses para converter todo o reino de Arelon; caso contrário, o Sagrado Jaddeth - senhor de toda a criação - o destruiria. Finalmente chegara o momento de Arelon aceitar as verdades da religião derethi." (pg 37)

Por que esse quote?

Porque Hrathen sendo Hrathen é ótimo. xD E é ele na capa, viu u_u

Bem, vamos lá falar desse livro que é bom pakas.

Elantris, a cidade que dá nome ao livro, era a capital de Arelon. "Era". Uma cidade fantástica, magnífica, para onde pessoas de toda Arelon e até mais distante iam, em busca de conhecimentos, de cura, de conselhos... E quando era acometida pela Shaod, a Transformação que a tornava um elantrino; na cidade, viveria eternamente. Até dez anos atrás, quando algo misterioso fez a cidade entrar em decadência e a Shaod não mais ser uma benção, mas uma maldição.

Os personagens principais, além do Hrathen, um dos melhores personagens religiosos que já vi, temos Raoden, o príncipe herdeiro de Arelon, e Sarene, princesa herdeira de Teod. Sarene está viajando para Arelon, para se casar com o dito príncipe Raoden.

Só que ao chegar lá, parece que Raoden morreu antes do casamento ser realizado, e por conta de uma das cláusulas do "contrato de casamento", Sarene permanece, como se realmente tivesse chegado a se casar. Sua parte na história acaba por girar entre atormentar o Rei (ele merece u_u), dificultar a vida de Hrathen em sua missão de converter o reino e tentar descobrir que afinal foi do príncipe, pois não acredita que ele esteja morto.

Que raios aconteceu com Raoden? A Shaod, meus caros. E por isso ele foi jogado na atualmente decadente Elantris; sua história gira em torno mais do mistério do que ocorreu com a cidade, e é com ele que descobrimos mais sobre os aons, os símbolos que os elantrinos utilizavam para realizar magia.

E é nesse ponto sobre os aons que destaco: Sanderson SABE criar sistemas de magia interessantes e coerentes. O de Elantris é um deles. É tão bem feito, tão bem construído, tem tanta lógica e coerência que dá até me dá raiva porque não consigo pensar em sistemas tão inteligentes (e ainda não li os outros livros do autor, graças à LeYrda e à minha preguiça de ler em inglês. Acho que vou entrar em depressão quando ler xD) Esqueci de destacar essa habilidade do Sanderson com sistemas de magia na resenha de Mistborn, lá eu mais mencionei que surtei xD

(Eu aprontando das minhas... Primeiro Feluriana de Biscuit, agora os aons que aparecem em Elantris bordados em ponto-cruz... Não, eu não consigo fazer uma coisa só. Eu tenho problemas; não sei quais, mas tenho. Significado: Tia e Omi, especificamente, significando Viagem e Amor. Porque esses dois ? Não lembro mais .-. Bordei há um tempinho bom haushasusuah Acho que está relacionado à facilidade mesmo xD O Glossário no final do livro mostra uns BEM complicados xD)

O mundo de Elantris como um todo não fica atrás. As brigas político-religiosas devido à religião derethi e ao Império são bem consistentes, e é principalmente através de Hrathen que vemos isso. Aliás, ele apronta umas poucas e boas em seu trabalho para converter o reino, e é realmente um ótimo personagem com uma construção de seu lado religioso igualmente boa. Com certeza meu personagem preferido no livro, mesmo que seja o... bem... "vilão" xD

A escrita do Sanderson é linda. Ele foi ótimo em invocar em nossas mentes o ambiente, os personagens, suas ações e como se sentiam. É o primeiro livro dele, e talvez por causa do tempo entre a leitura de Elantris e a de Mistborn, não reparei de fato em diferenças em relação à construção da história e narrativa, embora alguns companheiros leitores do grupo "Livros de Fantasia e Aventura - Skoob" destaquem que a construção dos personagens em Mistborn é melhor. Acho que vou ter de reler ambos, primeiro Elantris e logo em seguida Mistborn, para conferir por mim mesma xD

A revisão e a diagramação da LeYa estão de parabéns, e a capa também (bem... Eu não lembro de ter visto erros... Mas faz tempo que li. Sim, eu tenho de perder essa mania de enrolar pra escrever as resenhas)

Classificação Final: