23 outubro 2014

Resenha: Os Garotos Corvos - A Saga dos Corvos 1

Editora: Verus
Autor: Maggie Stiefvater
Páginas: 376



"- Eu quero saber por que a Neeve está aqui.
Calla parou e olhou para ela por sobre o ombro.
- Ah, que graça - respondeu de maneira pouco agradável. - Eu também gostaria de saber a causa da mudança climática, mas ninguém vai me contar." (pág. 169)

O livro foi lido num estirão, pelo simples fato de: eu PRECISAVA saber o que ia acontecer. Simplesmente impossível não continuar lendo depois que comecei.

"Os Garotos Corvos" conta a história de Blue, a única não-vidente numa família de videntes, capaz de amplificar os dons das outras videntes. Já no prólogo diz-se o que todas as mulheres previram para ela: se ela beijasse seu verdadeiro amor, ele morreria. Lindo, não?

Além de Blue, temos também a história de Gansey, Adam, Ronan e Noah (É MEU! *agarra e sai correndo*), quatro garotos estudantes no colégio Aglionby, um colégio para garotos de alto nível cujo símbolo é um... Corvo. De fato, com exceção de Adam, todos eles possuem grana. Muita grana. E eles estão atrás de algo considerado lendário: um rei galês adormecido no que chamam de Linha Ley, que para as videntes se chama Linha dos Corpos. Tudo graças à Gansey e à outros acontecimentos que estão mais para frente no livro.

A história de Blue e dos garotos, por alguma razão se entrelaça, ("- Coincidência? - perguntou Ronan. - Acho que não." pg 30) e ela começa a ajudá-los a entender a Linha Ley e todo o mais. Para saber mais sobre como isso se desenrola, recomendo ler o livro; particularmente, achei a história bem original, com um desenrolar surpreendente na maior parte do tempo.

Apesar da história, o que merece mais destaque, na minha opinião, são os personagens, tão diferentes entre si e tão "cheios de vida" à sua própria maneira.

Blue e as videntes da sua família, com destaque para sua mãe Maura e as tias Persephone, Calla e Neeve, são muito únicas entre si; são personagens incríveis à sua própria maneira: a sensatez de Blue, o jeito meio "Hm" de Maura, a misteriosa Persephone, o mau-humor e a acidez de Calla (a melhor, na minha opinião @.@ ) e o jeito "Eu sei mais que você" de Neeve demonstram que, apesar de toda o sobrenatural da família, elas são bem humanas. Ponto para a Maggie.

Os meninos também são totalmente especiais à maneira deles. Gansey é rico e meio sem-noção com seu dinheiro, mas de forma nenhuma alguém de fato arrogante por causa disso, um curioso e pesquisador de marca-maior. Adam é aquela pessoa esforçada, que se mata de estudar e trabalhar para conseguir algo melhor na vida e que preza muito por seu livre-arbítrio e independência. Ronan da cabeça raspada e briguento com problemas de família vira um amor que só vendo quando está com a Motosserra, o corvo fêmea que ele encontrou <3 .="" a="" blue="" brincando="" cabelo="" com="" e="" ele="" faz="" meu="" nem="" noah="" o="" p="" que="" quero="">
Ok, caham, saindo desse meu breve momento fangirl com o Noah...

Além deles, outro personagem importante para o desenrolar da história, é o professor de Latim, Whelk. O motivo? Ele também está envolvido na caçada à Glendower, embora os motivos sejam... Obscuros.

A história desses personagens se entrelaçou de uma forma que me deixou de queixo caído.

E ainda, além deles, existem as coisas maravilhosas e espantosas que acontecem quando eles encontram um determinado ponto da Linha Ley onde ela pode ser acordada; esses acontecimentos fazem o livro dever absolutamente nada no que diz respeito aos ambientes fantásticos de outros livros. Incrível, pura e simplesmente.

Como um todo, é uma história bem estruturada no primeiro livro, que me deixou extremamente curiosa para ler o segundo. Especialmente por causa da frase dita por Ronan no final do livro.

Enfim. Acho que é um livro que pode ocasionar alguns momentos legais de diversão e, se prestarmos atenção, reflexões quanto aos garotos e tals.


Classificação Final: