27 fevereiro 2014

Resenha: Gênesis

Editora: Intrínseca
Autor: Bernard Beckett
Páginas: 173
"- Não existem vinte iguais a você.
- Tem razão, não existem. Eu sou único. Por isso mesmo posso dizer com segurança que todos os androides do mundo consideram você feio. Nem todos os humanos me consideram feio. Portanto, tecnicamente, sou mais bonito que você, se usarmos critério objetivos." Pg. 80

Esse é um livro difícil de se falar. Primeiro que eu enrolei pra escrever a resenha, e segundo porque é realmente um livro difícil de se falar sem fazer spoilers monstruosos.

Mas vamos lá.

A história é bem desenvolvida e bem amarrada. Mas o ponto forte, que faz a gente ficar babando - por ser ótimo e porque às vezes o cérebro entra em parafuso e você entende é nada, tem de voltar e ainda assim não entende e decide que só vai entender numa futura releitura - são os diálogos. De Anaximandra com os Examinadores e Adam com Art. Especialmente Adam e Art.

Por que?

Porque realmente são diálogos, à partir da metade do livro (quando o climáx fica mais próximo e a curiosidade só aumenta), que seguem a premissa que a Intrínseca colocou na capa: O que realmente significa ser humano?

"A cada frase que eles trocam,a impressão de vida torna-se mais forte. Se você escuta como eu, fala como eu, então dentro de um certo tempo, não importa os motivos que eu possa ter para pensar de forma diferente, começarei a tratá-lo como alguém semelhante a mim. E com o passar do tempo isso se transforma em um hábito, e o hábito pode remover os vestígios da razão, sem deixar traços. Adam acredita em algo com sua mente, mas está sendo conduzido pelo coração." Pg. 97

É um livro complicado. Especialmente para pessoas que possuem crenças criacionistas ou num ser superior como um todo (Me incluo aqui, mesmo estudando Biologia). Os diálogos são intensos, e a filosofia, os pensamentos, e todo o mais contidos, merecem ser relidos e pensados com cuidado.

Pode ser lido como um simples livro de ficção científica, para entreter, mas na minha visão, foi tudo muito bem construído para tratá-lo dessa forma tão simplória. É uma leitura para se fazer pensar e para se reler sempre que possível.

Ah, sim...

Não posso deixar de comentar o final surpreendente e que me deixou encucada por alguns dias. Não digo o que aconteceu, mas digo que, realmente, nos deixa de queixo caído.

O livro é fino, e apesar de tudo, a história é conduzida de forma que a leitura é rápida e mal vemos quando alcançamos a última página. A página, por ser amarelada, torna mais fácil ler por um longo período sem perceber. E a diagramação e a revisão estão de parabéns: as letras possuem um ótimo tamanho, e tudo trabalha junto com a história para que a leitura flua.

Por tudo isso, o livro merece nota máxima!

Classificação Final: