25 outubro 2012

Resenha: Filme Pulse



Pirata de computador acidentalmente consegue interceptar um sinal misterioso vindo de um mundo paralelo. Quando os amigos se envolvem na história, descobrem que o sinal é um vírus demoníaco que infectou computadores e celulares, e os aparelhos não podem ser desligados. E aquele vírus faz apenas uma coisa: tira a vida de todos.

(Sinopse via Interfilmes)




Filme “apocalíptico” com Atividade Paranormal. Ponto.

Talvez desse pra deixar por aí mesmo, mas, não. O filme é mais, embora os elementos básicos que eu identifiquei sejam esses.

Respondam: como seria a sua vida sem tecnologia? Sem internet, Wi-fi, celular, televisão à cabo e mais uma pá de coisas... Uma droga, não?

Pulse é justamente um filme que conta o que seria possível de acontecer para, nessa nossa sociedade atual, perdermos toda a tecnologia. A proposta do filme nesse sentido de roteiro ficou legal.

Tipo... Basicamente, a coisa começa assim: dois idiotas encontram uma nova banda de sinal (algo assim, Física/whatever manda lembranças xD). Tentando usá-la para algo tipo internet via sinal, o resultado é: Fantasmas. Isso mesmo, meus caros: a suposta nova faixa de sinal nada mais é do que a frequência em que os Fantasmas ficam. O resultado deles conseguirem esse sinal e tals, é que os Fantasmas mudam de frequência: agora passam a invadir o nosso mundinho de vivos, e coitados de nós.

O caos toma conta. No meio disso tudo, temos os dois personagens principais, Mattie (a mocinha) e Dexter. As garotas fãs de Vampire Diaries (não é meu caso, nem assisti nem li, por falta de paciência e vergonha na cara mesmo, porque recomendações não faltam...) vão gostar: Ian Somerhalder, como Dexter, com todo o seu ar de mocinho tentando impedir o total colapso mundial junto da protagonista, basicamente tentando cortar o ponto de ligação entre a frequência Fantasma e o nosso mundo (ou suposto ponto de ligação).

Óia a fofura do Ian aí... xD

A forma como os Fantasmas foram retratados cada vez que apareceram ficou muito “Wow”. Tipo, dignos de medo mesmo principalmente se ele aparece da máquina de lavar. Apesar de algumas cenas que eu achei meio “Hm?” de o que acontece com as pessoas que recebem a vista do Gasparzinho Fantasma. Eu achei. Sei lá, fantasia e sobrenatural é bom, mas talvez tenha existido certo exagero... Embora façam parte de todo o encanto do filme.

Não vou contar o final. Não vou contar o que exatamente aconteceu. Descubram por si próprios. No caso das garotas, se não pela história, pelo menos pra ver o Ian xD (Tenshi apedrejada)

Syba manda beijos!